Pedalando com Segurança

Fonte: bicyclesafe.com

Esta página mostra a você maneiras nas quais vocês podem ser atingidos e maneiras de evitar que isto ocorra. Isto vai muito além das recomendações padrão de segurança para bicicletas, que normalmente lhe dizem pouco mais do que usar um capacete e seguir a lei. Mas pense nisto por um momento: usar um capacete não lhe ajuda de forma alguma a evitar ser atingido um carro. É claro, capacetes podem ser úteis se você for atingido, mas o seu principal objetivo deve ser não ser atingido em primeiro lugar. Muitos ciclistas são mortos por carros mesmo que estivessem usando capacetes. Ironicamente, se eles estivessem pedalando sem capacetes, mas seguissem as regras listadas abaixo, eles poderiam ainda estar vivos hoje. Não caia no mito de que usar um capacete é o mais importante no que tange a segurança do ciclista. Na verdade, um grama de prevenção vale mais que um quilo de cura. É melhor não ser atingido. É sobre isso que trata a verdadeira segurança para bicicletas.

A segunda dica para segurança das ciclistas mais comum depois de “use um capacete” é “siga a lei”, mas a maioria das pessoas já estão conscientes de que é burrice passar rápido por um sinal vermelho quando tem tráfego passando. Então o conselho de “seguir a lei” não ajuda muito porque é óbvio demais. O que você encontra aqui são diversos cenários que talvez não sejam tão óbvios.

O outro problema com a mensagem de “seguir a lei” é que as pessoas podem pensar que isso é tudo que precisam fazer. Mas seguir a lei não é o suficiente para que você fique seguro, não é mesmo. Eis aqui um exemplo: a lei lhe diz para pedalar o mais à direita possível. Mas se você pedalar muito à direita, alguém saindo de seu carro estacionado pode abrir a sua porta na sua cara, e você também ficará menos visível aos motoristas que estão saindo de garagens e acessos, e as motoristas que vêm atrás de você podem passar perto demais na mesma faixa porque você não as fez mudar de faixa. Em cada um destes casos você estava seguindo a lei, mas ainda assim sofreu um acidente. Esta página não se foca na lei, ela se foca em como não ser atingida por carros. Agora vejamos como se faz isso.

Dez Maneiras de Não Ser Atingido Por um Carro

Colisão #1: O Cruzamento à Direita

Esta é a maneira mais comum de ser atingido (ou quase). Um carro está saindo de uma rua lateral, estacionamento ou caminho à direita. Note que existem na verdade dois tipos possíveis de colisão: ou você está na frente do carro e o carro atinge você, ou o carro surge à sua frente e você bate nele.

Como evitar esta colisão.

1. Arranje um farol. Se você está pedalando de noite, você deve absolutamente usar um farol dianteiro. De qualquer forma, é exigido por lei. Mesmo para andar de dia, uma luz branca forte que pisca pode tornar você mais visível às motoristas que podem de outra forma se atravessar à sua direita. Procure pelos faróis de LED que duram dez vezes mais com a mesma pilha do que as lâmpadas mais antigas. Luzes no capacete ou na cabeça são o melhor, porque então você pode olhar diretamente para o motorista para se certificar de que ele viu sua luz.

2. Buzine. Consiga uma buzina forte e use-a sempre que você enxergar um carro se aproximando (ou esperando) à sua frente e à sua direita. Se você não tiver uma buzina, então grite “Hei!” Você pode se sentir estranha buzinando ou gritando, mas é melhor ficar envergonhado do que ser atingida. Muitos países exigem campainhas nas bicicletas.

3. Diminua. Se você não puder fazer contato visual com o motorista (especialmente à noite), diminua a velocidade para que você seja capaz de parar completamente se for preciso. É claro, é inconveniente, mas é melhor que ser atingido. Fazer isto salvou a minha vida mais vezes do que posso contar.

4. Pedale mais à esquerda. Você provavelmente está acostumada a andar na linha “A” da imagem, muito próximo ao meio-fio, porque você está preocupada em ser atingida por trás. Mas dê uma olhada no carro. Quando aquele motorista está procurando por tráfego na rua, ele não está olhando para a ciclofaixa ou na área mais próxima ao meio-fio; ele está olhando para o meio da pista, procurando por outros carros. Quanto mais à esquerda você estiver (como em “B”), mais provável é que a motorista enxergará você. E têm um bônus aqui: se o motorista não vir você e começar a arrancar, você pode conseguir ir ainda mais para a esquerda, ou pode conseguir acelerar e sair do caminho antes do impacto, ou facilmente rolar sobre o seu capô enquanto eles pisam nos freios. Para ser breve, isso lhe dará algumas opções. Porque se você ficar bem à direita e elas arrancarem à sua frente, a sua única “opção” será atingir o meio da porta do motorista. Usar este método já me salvou em três ocasiões nas quais um motorista me atingiu em baixa velocidade enquanto pisava nos freios e eu não me feri, e nas quais eu definitivamente teria atingido a porta do motoristas se eu não tivesse ido para a esquerda.

É claro, andar pela direita também têm seus riscos. Ao pedalar pela direita você fica invisível aos motoristas no cruzamento à sua frente, mas ao ir pela esquerda você fica mais vulnerável aos carros atrás de você. A sua posição na faixa irá variar de acordo com a largura da via, quanto carros têm lá, a distância e velocidade que eles ultrapassam você, e a distância que você está do próximo cruzamento, Em vias de trânsito rápido com poucos cruzamentos, você pode andar mais à direita, e em vias de trânsito mais lento com muitos cruzamentos, você pode andar mais à esquerda.

Colisão #2: A Porta Premiada

Uma motorista abre a sua porta bem à sua frente. Você a atinge se não conseguir parar a tempo.  Este tipo de acidente é mais comum do que você pensa, e de fato, ciclista batendo em carros estacionados é o principal tipo de colisão entre carros e bicicletas em Santa Barbara, nos EUA.

Como evitar esta colisão:

Pedale mais à esquerda. Pedale suficientemente à esquerda para que você não bata em nenhuma porta que se abra inesperadamente. Você pode estar consciente de que é bom entrar na faixa apenas o suficiente para que os carros não ultrapassem você com facilidade, mas é mais provável que você leve um portaço de uma carro estacionado por passar muito perto dele do que é você ser atingida por trás por um carro que pode ver você claramente.

Colisão #3: Golpe ao Atravessar a Rua


Você está andando na calçada e cruza a rua na faixa de pedestres, e um carro dobra à direita, direto em você. Motoristas não esperam que bicicletas andem na faixa de segurança, e é difícil para eles lhe enxergarem por causa da natureza de dobrar vindo de uma rua para outra, então é muito fácil para você ser atingida desta forma. Na verdade este tipo de colisão é tão comum que já perdemos a conta de quantas pessoas nos disseram que foram atingidas desta forma, como Ray John Ray. Um estudo mostrou que pedalar na calçada era duas vezes mais perigoso que pedalar na rua, e outro estudo apontou que era ainda mais perigosos que isto.

Como evitar esta colisão:

1. Arranje um farol Se você estiver pedalando à noite, você deve absolutamente usar um farol dianteiro. E é exigido por lei.

2. Reduza. Reduza a velocidade o suficiente para parar completamente se for necessário.

3. Não pedale na calçada em primeiro lugar. Atravessar a rua das calçadas é uma manobra bem perigosa. Se você o fizer do lado esquerdo da rua, você corre o risco de ser atingido por um carro como no diagrama. Se você o fizer do lado direito da rua, você corre o risco de ser atingida por trás por um carro que está dobrando à direita. Andar na calçada também torna você vulnerável a carros saindo de estacionamentos ou garagens. E você estará ameaçando os pedestres na calçada, que podem se ferir se você colidir com eles. Estes tipos de acidentes são difíceis de se evitar, o que é uma razão convincente para não pedalar na calçada em primeiro lugar. Além disso, andar de bici na calçada é ilegal em muitos lugares.

Algumas calçadas especiais são seguras para se pedalar. Se a calçada for muito longa (sem a necessidade de atravessar as ruas freqüentemente), e livre de entradas de carro e de pedestres, então há poucos riscos para você e para outras. Apenas assegure-se de que quando você for cruzar uma rua ou entrada de carros que você reduza a velocidade consideravelmente e verifique o tráfego em todas as direções, especialmente atrás de você se você estiver pedalando no mesmo sentido do tráfego.

Colisão #4: Catástrofe na Contra-Mão


Você está andando na contra-mão (contra o fluxo, no lado esquerdo da rua). Um carro dobra à direita em uma rua lateral, acesso ou estacionamento, direto em você. Elas não viram você porque você estava indo na direção errada.

Pior ainda, você pode ser atingida por um carro na mesma rua vindo diretamente à sua frente. Eles tiveram menos tempo para ver você e tomar uma ação evasiva porque vocês se aproximavam mais rápido do que o normal (porque você estava indo ao encontro deles ao invés de para longe deles). E se elas atingirem você, será um impacto muito maior, pela mesma razão (soma-se a sua velocidade à deles).

Como evitar esta colisão:

Não ande na contra-mão. Ande junto com o tráfego, na mesma direção.

Andar na contra-mão parece ser uma boa idéia porque você pode ver os carros que passam por você, mas não é. Eis o porquê:

  1. Carros que saem de acessos, estacionamentos e ruas laterais (à sua frente e à sua esquerda), que estão dobrando à direita na sua rua, não estão esperando tráfego em sua direção na contra-mão. Eles não verão você, e atingirão você em cheio.
  2. Como você vai dobrar à direita?
  3. Os carros se aproximarão de você numa velocidade relativa muito mais alta. Se você pedala a 15km/h, e então um carro que passa por você vindo de trás a 35km/h, ele se aproxima de você a apenas 20km/h (35-15). Mas se você está na contra-mão, então o carro se aproxima de você a 50km/h (35+15), que é mais que o dobro da velocidade! Como eles se aproximam de você mais rápido, tanto você quanto a motorista têm muito menos tempo para reagir. E se uma colisão ocorrer, será dez vezes pior.
  4. Andar na contra-mão é ilegal e você pode ser multado por isto.

Um estudo mostrou que pedalar na contra-mão é três vezes mais perigoso do que pedalar na mão certa, e para crianças o risco é sete vezes maior.

Quase um quarto dos acidentes envolvem ciclistas andando na contra-mão. Alguns leitores desafiaram isto, dizendo que se 25% dos acidentes são de pessoas andando na contra mão, então andar na mão certa é mais perigoso porque é responsável por 75% dos acidentes. Esse pensamento está errado. Em primeiro lugar, apenas 8% dos ciclistas andam na contra-mão, mas 25% deles são atingidos – isso significa que pedalar na contra-mão têm três vezes mais chances de ser atingido do que quem pedala na mão certa. Em segundo lugar, o problema com andar de bici na contra-mão é que isso promove acidentes, enquanto pedalar na mão certa não. Por exemplo, ciclistas que passam sem parar em placas de pare ou em sinais vermelho correspondem a 17% dos acidentes. Mas devemos portanto concluir que não passar nos sinais vermelhos corresponde a 83% das colisões? (Uma dica: não)

Colisão #5: O Sinal Vermelho da Morte

Você para à direita de um carro que já está esperando o semáforo abrir. Eles não podem ver você. Quando o sinal abre, você anda pra frente, e então eles viram à direita, direto sobre você. Até mesmo carros pequenos podem matar você desta forma, mas esta situação é especialmente perigosa quando é um ônibus ou uma caminhonete que está ao seu lado. Um ciclista do Texas morreu em 1994 quando ele parou à direita de uma caminhonete, que então virou à direita. Ele foi esmagado sob as suas rodas.

Como evitar esta colisão:

Não pare no ponto cego. Simplesmente pare ATRÁS de um carro, ao invés de à sua direita, como no diagrama abaixo. Isso torna você visível ao tráfego de todos os lado. É impossível que o carro atrás de você não a veja se você está bem na frente dele.

Outra opção é parar ou no ponto A no diagrama acima (onde o primeiro motorista pode ver você), ou no ponto B, atrás do primeiro carro para que ele não possa dobrar sobre você, e longe o suficiente do segundo carro para que a segunda motorista possa ver você claramente. Não faz sentido evitar parar à direita do primeiro carro se você vai cometer o engano de para à direita do segundo carro. QUALQUER UM dos carro pode matá-lo.

Se você escolher o ponto A, então pedale rapidamente para cruzar a rua assim que o sinal ficar verde. Não olhe para o motorista para ver se eles querem que você vá na frente para depois dobrar. Se você estiver no ponto A e eles quiserem dobrar, então você está no seu caminho. Por que você pegou a posição A se você não estava ansiosa para atravessar a rua quando podia? Quando o sinal abrir, apenas vá, e vá rápido. (Mas assegure-se de que os carros não estão passando no sinal vermelho na rua que cruza, é claro.)

Se você escolher a posição B, então quando o sinal abrir, NÃO ultrapasse o carro à sua frente – fique atrás dele, porque ele pode dobrar à direita a qualquer instante. Se ele não dobrar à direita imediatamente, ele pode entrar à direita em um acesso ou estacionamento inesperadamente em qualquer lugar. Não espere que os motoristas façam sinal! Eles não fazem. Presuma que um carro pode dobrar à direita a qualquer momento. (NUNCA passe por um carro pela direita!) Mas tente ficar à frente do carro atrás de você até que você passe pelo cruzamento, porque de outra forma eles podem tentar cortar você quando dobrarem à direita.

Mesmo que não estejamos advogando passar no sinal vermelho, note que é na verdade mais seguro passar pelo sinal vermelho se não há carros cruzando a rua, do que esperar legalmente o sinal abrir do lado direito de um carro, somente para que ele vire à direita sobre você quando o sinal abrir. A moral não é que você deve quebrar a lei, mas que você pode se machucar mesmo que você a respeite.

A propósito, tenha muito cuidado quando passar por carros parados pela direita quando você se aproxima de um sinal vermelho. Você corre o risco de levar um portaço na cara por uma passageira saindo de um carro pelo lado direito, ou ser atingido por uma carro que inesperadamente decidiu entrar numa vaga de estacionamento do lado direito da rua.

Colisão #6: Gancho de Direita


Um carro ultrapassa você e então tenta fazer uma curva à direita bem à sua frente. Eles pensam que você não está indo muito rápido pois está de bicicleta, então nunca lhes ocorre que elas não conseguirão passar por você a tempo. Mesmo que você tenha que frear bruscamente para evitar atingi-los, elas freqüentemente não sentirão que fizeram algo errado até o último instante, e porque você não tem para onde ir quando isso acontece.

Como evitar esta colisão:

  1. Não pedale na calçada. Quando você desce da calçada você está invisível aos motoristas. Você está implorando para ser atingido se você ficar isso. Keith Vick morreu desta forma no Texas, em dezembro de 2002.
  2. Pedale mais à esquerda. Tomar conta de toda a faixa faz com que seja mais difícil para os motoristas ultrapassarem você para cortá-lo ou dobrarem em cima de você. Não se sinta mal em ocupar a via: se os motoristas não ameaçassem a sua vida dobrando à sua frente ou tirando finos, então você não precisaria fazer isso. Se a faixa na qual você está não é larga o suficiente para os carros ultrapassarem você com segurança, então você deve ocupar toda a faixa de qualquer maneira. A posição na faixa é discutida com mais pormenores abaixo.
  3. Olhe nos espelho retrovisor antes de se aproximar de um cruzamento. (Se você não tiver um espelho retrovisor no guidom ou no capacete, arranje um agora.) Certifique-se de olhar no retrovisor bem antes de alcançar o cruzamento. Quando você já estiver no cruzamento, você precisa manter toda a sua atenção no que está à sua frente.

Colisão #7: O Gancho de Direita, Pt. 2


Você está ultrapassando um carro em baixa velocidade (ou até mesmo outra bicicleta) pela direita, quando ele inesperadamente dobra à direita e atinge você, tentando chegar a um estacionamento, acesso ou rua lateral.

Como evitar esta colisão:

1. Não ultrapasse pela direita. Este tipo de colisão é muito fácil de se evitar. Apenas não ultrapasse nenhum veículo pela direita. Se um carro à sua frente está indo a apenas 15km/h, então você reduz também, atrás dele. Em seguida ele vai começar a andar mais rápido. Se ele não o fizer, ultrapasse pela esquerda quando for seguro.

Quando ultrapassar ciclistas pela esquerda, anuncie “à sua esquerda”, antes de começar a passar, para que eles não virem à direita e se choquem com você. (É claro, é muito menos provável que eles virem sem olhar repentinamente para esquerda, pois poderão ser atingidos por carros, do que para a direita.) Se eles estiverem pedalando muito à esquerda para você ultrapassar com segurança pela esquerda, então grite “pela sua direita” antes de ultrapassar pela direita.

Se diversos carros estiverem parado em um semáforo, então você pode tentar passar pela sua direita com cuidado. Lembre-se que alguém pode abrir inesperadamente a porta da passageira para sair do carro. Também se lembre-se de que se você passar pela direita e o trânsito começar a andar de novo inesperadamente, você pode sofrer o #3, o Sinal Vermelho da Morte.

Quando você estiver andando atrás de um veículo em baixa velocidade, pedale atrás dele, não no seu ponto cego à sua direita. Mesmo que você não o esteja ultrapassando pela direita, você ainda pode se chocar contra ele caso o carro dobre à direita. Deixe espaço o suficiente para frear caso ele vire.

2. Olhe para trás antes de virar para a direita. Esta é a sua oportunidade de evitar se chocar contra ciclistas que violam a dica #1 acima e tentam lhe ultrapassar pela direita. Olhe para trás antes de dobrar à direita para se assegurar de que não há uma bicicleta tentando lhe ultrapassar. (Também lembre-se de que elas podem vir de trás de você pela calçada enquanto você está na rua.) Mesmo que a culpa seja da outra ciclista por tentar ultrapassar você pela direita quando você ia dobrar e eles se chocaram contra você, isso não irá doer menos.

Colisão #8: Cruzado de Esquerda


Um carro vindo na sua direção vira à esquerda na sua frente, ou direto em você. Isso é similar ao #1.

Como evitar esta colisão:

  1. Não pedale na calçada. Quando você desce da calçada para cruzar a rua, você é invisível para motoristas que dobram.
  2. Arranje um farol. Se você estiver pedalando à noite, você deve absolutamente usar um farol dianteiro. É exigido por lei na maioria dos países.
  3. Use algo brilhante. Mesmo durante o dia. Pode parecer besteira, mas bicicletas são pequenas e fáceis de não serem vistas mesmo durante o dia. Vestes reflexivas amarelas ou laranjas realmente fazem uma grande diferença. Faixas reflexivas nas pernas também são fáceis e baratas.
  4. Não ultrapasse pela direita. Não passe por veículos em baixa velocidade pela direita. Fazer isso torna você invisível para quem vai dobrar à esquerda em cruzamentos. Passar pela direita significa que o veículo que você está ultrapassando também pode virar à direita e acertar você.
  5. Reduza. Se você não conseguir fazer contato visual com quem está dirigindo (especialmente à noite), diminua sua velocidade para que você seja capaz de parar completamente se for preciso. É claro, é inconveniente, mas é melhor que ser atingido.

Colisão #9: A Traseira


Você inocentemente se move um pouco à esquerda para contornar um veículo estacionado ou outro obstáculo na pista, e é atingido por um carro que vem de trás.

Como evitar esta colisão:

  1. Nunca, nunca vire à esquerda sem olhar para trás antes. Existem motoristas que gostam de tirar finos de ciclistas, então se mexer mesmo que pouco para a esquerda sem avisar pode colocar você no caminho de um carro. Pratique olhar para trás enquanto anda em linha reta até que consiga fazer tranqüilamente. Quem pedala há pouco tempo costuma se mover para a esquerda quando olha para trás, o que é claro pode ser desastroso.
  2. Não fique contornando carros estacionados. Você pode sentir a tentação de pedalar pela faixa de estacionamento onde não há carros estacionados, voltando à faixa tráfego quando você encontra um carro estacionado. Isso coloca você em risco de que um carro bata em você por trás. Ao invés disso, pedale numa linha reta e firme pela faixa de tráfego.
  3. Use um espelho. Se você não possui um, consiga um numa loja de bicicletas ou pela internet agora mesmo. Existem modelos que se encaixam no seu guidom, capacete ou óculos, como você preferir. Você deve sempre olhar fisicamente por cima do seu ombro antes de se deslocar para a esquerda, mas ter um espelho ajuda a monitorar o tráfego sem ter que ficar constantemente olhando para trás.
  4. Sinalize. Nunca desloque-se para a esquerda sem sinalizar. Apenas estique seu braço esquerdo para o lado. Cheque o seu espelho antes de sinalizar (um carro que passa perto demais pode arrancar o seu braço).

Colisão #10: A Traseira, Pt. 2


Um carro acerta você por trás. Isto é o que muitas ciclistas mais temem, mas na verdade não é muito comum, correspondendo a apenas 3,8% das colisões. Entretanto, é uma das colisões mais difíceis de de evitar, já que você normalmente não está olhando para trás. O risco é provavelmente maior à noite, e em passeios fora da cidade onde o tráfego é mais rápido e a iluminação é pior. Os três ciclistas mortos atingidos por trás em Austin entre 1996 e 1997 estavam todos pedalando à noite, e pelo menos dois deles não tinham luzes nas suas bicicletas. A melhor forma de evitar uma batida por trás é pedalar em vias muito largas ou em ciclofaixas, ou em estradas onde o trânsito seja mais lento, e usar luzes para pedalar à noite.

Como evitar esta colisão:

1. Arranje uma luz traseira. Se você pedala à noite, você deve usar uma luz traseira vermelha piscante. Bruce Mackey (antigo chefe da segurança para ciclistas no estado da Flórida, atualmente de Nevada) diz que 60% das colisões com bicicletas na Flórida são causadas por ciclstas pedalando à noite sem iluminação. Em 100, 39% das mortes em bicicletas em todo os E.U.A. ocorreram entre as 18h e as 24h USA Today, 10-22-01, atribuído ao Insurance Institute for highway safety

Lojas de bicicletas tem pisca-piscas traseiros a preços acessíveis. Esse tipo de luz geralmente usa duas pilhas AA, que duram por meses (geralmente em torno de 200 horas). Não dá para enfatizar isso demais: se você pedala à noite, arranje uma luz traseira!

2. Utilize uma veste reflexiva ou um triângulo de segurança. Equipamento reflexivo de alta qualidade torna você muito mais visível mesmo de dia, não apenas à noite. Uma amiga minha se afastou de mim enquanto usava um durante o dia, e quando ela estava a 400m de distância eu não podia vê-la ou a sua bicicleta, mas o colete estava claramente visível. À noite a diferença é ainda maior. Lojas de bicicletas têm vestes e triângulos. E também quando você ouvir um carro se aproximando, endireitar a postura, ficando ereto tornará o seu equipamento reflexivo ainda mais visível.

3. Escolha ruas largas. Anda em ruas cuja faixa da direita seja tão larga para que caiba um carro e uma bicicleta lado a lado. Desta forma um carro pode passar zunindo por você e não lhe acertar, mesmo que ele não lhe veja!

4. Escolha ruas lentas. Quanto mais devagar um carro estiver andando, mais tempo quem estiver dirigindo terá para enxergar você. Eu navego pela cidade atravessando vizinhanças. Aprende a fazer isto.

5. Use as ruas laterais nos fins-de-semana. O risco de pedalar numa sexta ou sábado à noite é muito maior que pedalar nas outras noites pois as ruas estão cheias de bebuns dirigindo por aí. Se você pedalar numa noite de fim-de-semana, pegue as ruas menores ao invés das vias arteriais.

6. Arranje um espelho. Arranje um espelho e use-o. Se parece que um carro não viu você, salte da bicicleta para a calçada. Espelhos são baratos. Confie em mim, depois que você pedalar com um espelho por algum tempo, você se perguntará como você pedalava sem um. A minha paranóia diminuiu 80% depois que arranjei um espelho. Se você não se convenceu, depois que você usar o seu espelho por um mês, tire-o da sua bicicleta e ande sem e perceba como você fica olhando para baixo para onde estava o seu espelho, e note como você se sente inseguro a respeito.

7. Não ande muito perto do meio-fio. Pode ir contra a sua intuição, mas deixe um pouco de espaço entre você e o meio-fio. Isso lhe dá algum espaço para manobrar caso você veja um veículo grande no seu espelho, se aproximando sem se afastar o suficiente para evitar você. E também, quando você anda muito perto do meio-fio é mais provável ser fechado por motoristas que não vejam você.

Mais Dicas Gerais

Evite ruas movimentadas.

Um dos maiores erros que as pessoas cometem quando começam a pedalar é fazer exatamente os mesmos trajetos que faziam quando dirigiam. É normalmente melhor ir pelas ruas com menos carros e com tráfego mais lento. É claro, ciclistas têm direito de usar a pista, mas esse é um pequeno consolo se você morrer. Considere até onde você pode levar esta estratégia: se você aprender bem os seus trajetos, você descobrirá que você pode viajar pelos bairros para chegar na maioria dos lugares, somente cruzando as avenidas mais movimentadas ao invés de se deslocar por elas.

Ilumine-se

Óbvio demais? Bom, se é tão óbvio, então porque a maioria das pessoas que pedala à noite andam sem luzes? Pisca-piscas são baratos. Faróis são tão importantes quanto luzes traseiras. Procure pelos novos modelos com LED, já que as pilhas duram dez vezes mais neles.

Use a faixa inteira quando for apropriado.

Normalmente é mais seguro ocupar a faixa inteira, ou pelo menos, pedalar um pouco à esquerda, ao invés de junto ao meio-fio. Eis o porquê:

  • Carros em cruzamentos à sua frente podem ver melhor se você estiver no meio da pista ao invés de no canto, onde você pode ficar invisível facilmente.
  • Ocupar a faixa evita que os carros tirem finos de você em vias estreitas.
  • Andar um pouco mais à esquerda evita que você seja uma vítima da porta premiada.

Talvez você se preocupe em trancar o trânsito atrás de você se você ocupar a faixa toda. Mas se você está no tipo de rua na qual os carros fazem fila atrás de você ou constantemente trocam de faixa para ultrapassar você, você provavelmente está no tipo errado de rua e deve encontrar uma rua mais tranqüila.

Ocupar a faixa funciona especialmente bem na maioria das rótulas. O tráfego geralmente é mais lento então é fácil de acompanhar, pedalando na faixa você fica mais visível para quem está dirigindo, e ocupando a faixa você evita que motoristas fechem você quando saem da rótula.

É perfeitamente legal ocupar a faixa toda quando apropriado. Essas são algumas coisas que tornam impraticável pedalar pela extrema direita:

  1. Você está numa área de tráfego pesado com muitas ruas laterais, estacionamentos ou acessos à sua frente e à sua direita. Carros virando à esquerda não verão você porque eles estão procurando por tráfego no meio da pista, não no limite extremo da pista. Mova-se para a esquerda. Veja o diagrama de colisão #1 acima.
  2. Os carros estão tirando finos de você. Se a faixa é muito estreita para os carros passarem por você com segurança, então vá para a esquerda e ocupe a faixa inteira. Carros passando muito perto são perigosos.
  3. Há carros estacionados no lado direito da rua. Se você pedalar perto demais deles você será atingido por uma porta por alguém que sai do seu carro. Mova-se para esquerda.

Existem riscos tanto para andar na extremidade direita da pista quanto para ocupar a faixa. Se você vai pedalar à direita ou ocupar a faixa, irá depender das condições da via na qual você está. Em vias largas com tráfego lento e poucos cruzamentos, ande pela direita. Em vias rápidas com muito tráfego e cruzamentos, vá mais para a esquerda. Nem sempre é melhor ocupar a faixar ou colar-se ao meio-fio; depende da rua em que você está.

Sinalize os seus movimentos.

É menos provável que você seja atingido quando os seus movimentos não pegam quem dirige de surpresa. Avise-os se você está prestes a dobrar ou mover-se para esquerda ou para a direita sinalizando com o seu braço. Estique o seu braço esquerdo para se mover para esquerda, e o seu braço direito se você for para a direita. (Você pode ter aprendido uma maneira antiga de sinalizar que vai dobrar à direita com o seu braço esquerdo, mas motorista nenhum sabe o que isso significa, então é inútil. Sinalize que vai para a direita com o seu braço direito.) Antes de sinalizar para a esquerda, cheque o seu espelho ou olhe por cima do ombro, já que um carro que passa perto demais pode levar o seu braço embora.

Repense a música e os telefones celulares.

É mais importante escutar o que está a sua volta quando voce está de bici do que quando está dirigindo. Se você quiser pedalar com fones de ouvido, a escolha é sua, mas fazer isso é mais arriscado. Da mesma forma, enviar torpedos ou falar em um telefone celular aumenta o seu nível de risco. Quando você está misturado com o trânsito de carros, quanto menos distrações melhor. E também, você irá querer ter as duas mãos livres caso tenha que frear de repente.

Pedale como se você fosse invisível.

Muitas vezes é bom pedalar de uma maneira que os carros não irão lhe atingir mesmo que ninguém lhe vejam. Você não está tentando ser invisível, você está tentando fazer com que seja irrelevante o fato deles verem você ou não. Se você pedalar de uma forma que um carro tenha que ver você para agir e evitar lhe atingir (por exemplo, reduzindo ou mudando de faixa), então isto significa que eles definitivamente irão lhe atingir se não o virem. Mas se você ficar fora do seu caminho, então você não será atingida mesmo que eles não notem a sua presença.

Em vias de trânsito muito rápido os carros têm menos tempo de ver você pois eles passam muito rápido. É claro, você deve evitar vias de trânsito rápido em primeiro lugar se possível, a menos que haja espaço suficiente para um carro e uma bicicleta lado a lado. E se HOUVER tal espaço, então nas vias de trânsito rápido, você pode praticar a invisibilidade transitando pela extremidade direita da pista. Se você estiver à direita o suficiente para não ser parte da faixa na qual os carros estão, então eles passarão voando e não atingirão você, mesmo que eles nunca lhe vejam.

Aqui está outro exemplo: é uma boa idéia sinalizar uma virada à esquerda, mas é melhor ainda virar à esquerda onde não há carros atrás de você que podem lhe atingir enquanto você está esperando para dobrar. Você pode esperar no meio da rua, parado, com o seu braço esquerdo esticado, esperando para fazer a sua volta, mas você está contando que os carros atrás de você irão lhe ver e parar. Se eles não lhe verem, você está com problemas.

Naturalmente, nós não incentivamos as pessoas a passarem no sinal vermelho, mas se você é o tipo de pessoa que faz isso, então aplique o princípio da invisibilidade ao decidir passar em um determinado semáforo: algum carro poderia me atingir se eu fosse invisível? Se sim, então não o faça. Nunca faça um carro reduzir para não atingir você (com sinal vermelho ou não). Lembre-se, quanto mais você confia que os carros irão ver você para evitar atingir-lo, mais chances você terá de que eles realmente o atinjam.

Lembre-se, você não está tentando SER invisível, você está apenas pedalando com o pressuposto que os carros não podem ver você. É claro, você certamente quer que eles o vejam, e você deve ajudá-los com isso. É por isso que você abanará para os motoristas que você acha que podem dobrar na sua frente, e porque você estará iluminado como uma árvore de Natal à noite (luzes frontais e traseiras).

Lembre-se que em muitos casos, você precisará ocupar a faixa, e espera que os motoristas o vejam.

30 respostas para Pedalando com Segurança

  1. João disse:

    Acho que seria interessante um desenho ou foto que mostremos os equipamentos citados e libnks de vídeos-exemplo de manobras ou de equipamentos de sinalização tão importantes. Posso ajudar nisso, se for do interesse, me remetam um e-mail. Abraço.

  2. Olavo Ludwig disse:

    Marcelo,
    Não tinha visto esta postagem, que na verdade não é uma postagem, pois nem achei data de publicação até que descobri o link lá no topo. Vou repassar isso, pois é bastante importante.

  3. Marga disse:

    MUITO TRI Olavo!!

  4. Helton disse:

    Complementando (pontos de vista pessoais meus):

    A porta aberta – tente prestar atenção nos carros parados para ver se tem gente dentro;

    Golpe ao atravessar a rua – Olhe para os olhos do motorista, pra saber se ele te viu, e para ele saber que foi visto;

    Sinal vermelho da morte – Pare tão à frente quanto possível (à frente do ponto A, mas não em cima da faixa de pedestres), e acelere assim que o sinal fechar / pararem de vir carros e pedestres na transversal;

    Gancho de direita – Abra e balance o braço esquerdo continuamente desde uns 20m antes da esquina, e vá indo para a esquerda, ocupando a faixa da direita aos poucos. Funciona que é uma beleza (sério).

    Cruzado de esquerda – Ao ver o carro vindo pela esquerda, grite histericamente, imitando um som de freada (pneu arrastando no asfalto). É bom sempre olhar o pisca-pisca dos carros que vêm pela esquerda, para antecipar esse tipo de virada.

    A traseira, pt. 2 – Se a rua for muito assassina, infelizmente o jeito é andar devagarinho pela calçada até a coisa acalmar.

    Por fim, a dica da invisibilidade é simplesmente GENIAL E PERFEITA. É a receita da sobrevivência sem traumas ou armadilhas mesmo na mais cruel das selvas urbanas.

    Parabéns pela postagem!

  5. Rodrigo Pinto disse:

    Isso teria que ser o be-a-bá de qualquer pessoa que se disponha a pedalar na cidade. Com o ciclista seguindo estas regras e um mínimo de educação vial junto com posterior fiscalização e punição a motoristas infratores, não há a menor necessidade de ciclovias, que são caras e tão somente dão uma falsa sensação de segurança aos ciclistas, quando muitas vezes fazem exatamente o contrário: aumentam os riscos por funcionar de maneira oposta à lógica geral do tráfego.

  6. renate kollarz disse:

    MUITO BOAS essas dicas…
    A coisa de nao andar na contra-mao eh que eh complicada: Logicamente a rota preferencial eh a da mao MAS, ai aparece aquela situacaoZINHA onde, por causa de um pequeno trecho, teriamos que fazer uma BAITA volta (com aQUEla Lomba=Morro indesejaveis…); entao qual sera a solucao: costumo reduzir completamente a velocidade para fazer APENAS aquele pedaco, i.eh. – considerando TUDO que possa acontecer: alguem saindo de dentro de 1 carro estacionado, os carros vindo A TODA, na direcao oposta, pedestres que -Claro – nao estao olhando para a contra-mao e ntao, em andando absolutamente devagar naquele trechinho, poderei SIM, parar completamente em qualquer situacao emergencial; SO EH preciso paciencia, ne… mas, para nao ter que fazer AQUELA BAITA volta, prefiro ir na manha, devagarinho e resolver o problema (So que eu ainda desconhecia a historia da Lei que multa… Kkkk!).

    • Marcelo disse:

      Em casos como esse, renate, eu prefiro ir bem devagar (numa velocidade de caminhada), só que por cima da calçada, dando sempre preferência ao pedestre e me assegurando de que não estou ameaçando a integridade física de ninguém.

      Eu acho que é mais seguro, até para os pedestres, do que andar na contra mão.

    • Andar na contra-mão é arriscado, tanto para o ciclista quanto para o pedestre, aqui não tem geito, o que faço e recomendo é que empurremos a magrela pela calçada, que sejamos pedestres neste trecho, não custa muito e evita sustos desnecessários!

  7. ferreira disse:

    Olavo meu parceiro, ótimos conselhos e instruções, quanto ao espeho retrovisor , não sei pedalar sem ele, e é de moto, bem grande.
    Abraço – ferreira

  8. Ian disse:

    olá amigos do massa crítica,

    excelente material, estou lendo e percebendo q cometia várias imprudências sobre duas rodas. caras, acho q esse tipo de texto tem q ir para as apostilas de auto-escola e cair na prova.

    grande abraço, ian.

  9. eloisa agra hassen disse:

    Adorei as recomendações. Vou repassá-las.

  10. Pingback: As bicicletas e o Carmageddon em Porto Alegre « Numeralha

  11. Fernando disse:

    É, AS DICAS SÃO BOAS, MAS TOMEM CUIDADO COM O GOLF PRETO!!

    PENSEM MELHOR NESSA BADERNA QUE VCS FAZEM, POIS JÁ FUI PREJUDICADO POR ESSA AÇÃO DE VCS. DEPOIS DO FATO, EM VEZ DE APOIAR, PASSEI A DETESTAR ESSE MOVIMENTO, POIS VCS NÃO PENSAM NAS NECESSIDADES DA POPULAÇÃO!!

    MAIS UMA VEZ, CUIDADO QDO VCS FECHAREM AS RUAS, POIS PODE TER ALGUÉM COM PRESSA!!

    • leo caobelli disse:

      Uma pergunta rápida, Fernando:
      um grupo de carros utilizando a rua em horário de rush não caracterizam tb o “fechamento da mesma”? Nesse caso um carro que está no final da fila pode acelerar e tentar passar por cima de todos? Caso a resposta fosse positiva, São Paulo, cidade onde resido seria mais inviável do que já se mostra neste momento.
      O código de trânsito prevê o uso de bicicletas como veículo de locomoção e não como simples forma de lazer. O uso de bicicletas deve ser feito no centro da faixa, ocupando o espaço de um veículo – assim como devem fazer as motocicletas. (usar o espaço do corredor é contra o código, uma vez que aumenta as chances de acidentes)
      Neste caso, um grupo de ciclistas reunidos não está praticando nenhuma contravenção, e sim colocando em prática o que comumente é coisa “pra inglês ver”: nossa legislação.
      O cuidado não deve ser exclusivo com um Gol Preto, mas com os nossos pensamentos e com o que passamos a aceitar e justificar em uma sociedade cada dia mais intolerante.

  12. Halley disse:

    Muito boas as dicas. Estou enviando para os meus amigos pedaleiros.
    Fiquei convencido da importância do espelho retrovisor.
    Uma dica: Sempre uso camisa de cor bem chamativa (vermelha, alaranjada, etc). Cores que se camuflam com o ambiente, tipo verde, branco e preto não são recomendáveis.

  13. Mel disse:

    Pessoal,
    Há tempos venho querendo comprar uma bicicleta e agora com o acidente, resolvi me informar a respeito de ‘bikes X trânsito’. As dicas estão ótimas (com excessão daquela de esmagar o sujeito, claro) e foram muito importantes pra mim, pois vi que existe muita coisa para cuidar que eu nem fazia idéia…

    • Rafael disse:

      Sugiro retirar aquela parte onde fale “para que você ao menos tenha o prazer de esmagar ele também…”. A fonte (bicyclesafe.com) já foi citada, portanto o texto pode ser mudado, este texto valoriza a disputa carro x bike quando na verdade o que queremos é a harmonia.

  14. leo caobelli disse:

    Também deixo a dica de retirarem o “para que você ao menos tenha o prazer de esmagar ele também…”
    De nada vai adiantar o uso de cartazes pedindo paz no trânsito e mais amor se o movimento insistir em perpetuar motoristas e ciclistas como grupos rivais e não coexistentes.

  15. Ananda disse:

    Sempre vi a bicicleta como uma ótima opção de transporte porque é sustentável, mais barata (PoA tem a segunda tarifa mais cara do país), mais rápida (engarrafamentos já são rotina) e mais saudável (pelo exercício) em relação às outras formas. Desisti da ideia quando em 2005 um experiente ciclista, na época pró-reitor de extensão da UFRGS, foi fatalmente atropelado enquanto pedalava na Av. Beira-Rio. Aos poucos vinha repensando a ideia, mas agora, depois das imagens do atropelamento em massa, desisti por completo. O mais lamentável é que parece que os gestores públicos só priorizam o motorista.
    São atitudes como as daquele motorista e os comentários de intolerância (que li nesse Blog e no Correio do Povo de hoje – sessão Do Leitor) que me fazem ver a cruel realidade do nosso trânsito: estamos longe do respeito à vida e mais ainda do amor reivindicado na campanha dos ciclistas.

  16. Amanda
    No teu comentário mencionaste “O mais lamentável é que parece que os gestores públicos só priorizam o motorista”. Pior que isso, nem os motoristas são priorizados, pois nosso trânsito está cada vez mais inchado e com menos infra-estrutura, sem falar que não existe educação para o trânsito. Infelizmente tem que ocorrer um fato lamentável como este atropelamento para a sociedade discutir um pouco mais sobre educação no trânsito onde não envolve somente o poder público, envolve a cabeça, a cultura da população, o senso de coletividade. O mesmo cara bota o carro em cima das pessoas numa faixa de segurança será aquele que atravessará a rua em qualquer lugar atrapalhando o trânsito…..e aí por diante. Sempre em minhas colocações caio no mesmo ponto, seja o assunto que for, educação. Se tivermos educação para o transito, para a coletividade, para o respeito a natureza ao ao próximo desde o ensino fundamental, muita coisa melhoraria.

    • Beto Flach disse:

      Bom dia, colegas. Só para agregar mais uma informação, vocês sabem que existe uma LEI (destas que existem mas não se cumpre, alguém já ouviu falar??) que define que 20% dos recursos arrecadados com as multas de trânsito devem ser destinadas para campanhas de educação no trânsito? Pra onde tem ido este recurso? Um abraço.

  17. Pingback: Leitura Recomendada | Massa Crítica – POA

  18. Roberto Pegler disse:

    Enviei um post e ele não foi publicado. Vcs podem me informar por quê?

  19. Marly disse:

    É impressionante como a gente acaba encontrando muitos exemplos diariamente circulando de bike, seja por ruas, avenidas ou mesmo estradas. Na questão da porta aberta eu, já levei algumas portadas, sendo que uma delas precisei atendimento (e foi recusado, no Hospital Dornelles, local onde um taxista parado no ponto ali, desceu do carro para empurrar o veículo, sem ligar o motor e, eu mais um namorado O Diogo estávamos em dois na bike, eu estava carregando ele na garupa) e a porta pegou em mim em cheio. Reclamamos, mas o taxista foi grosseiro e louco! Entrei pedindo primeiros socorros e “negaram-se”, ou paga ou vai embora – apenas usei o banheiro e sabão para desinfetar os ferimentos leves! Há uns dias atrás contei na hora do almoço pelas ruas que passei para ir ao centro, uma média de uns três a quatro motoristas “sesteando com a porta aberta”, inclusive a pernoca espichada pra fora também!

  20. Gabriel Miranda disse:

    Pra quem quiser ler mais sobre o assunto: http://www.escoladebicicleta.com.br/index.html

  21. Pedro Pernigotti disse:

    Sou contra qualquer movimento radical e anarquista.

  22. José Antônio Berta Antunes disse:

    Sugiro que compareçam à 2ª reunião do Eixo Temático Desenvolvimento Urbano e Ambiental, do V Congresso da Cidade, no auditório da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da PUC, em Porto Alegre, no dia 1º de junho às 19h, pois o tema será Mobilidade Urbana.

  23. Fernando disse:

    Esse é mais um post que eu coloquei nos meus favoritos. Eu sempre gostei de andar de bicicleta, mas depois que vim pra Porto Alegre não andei mais – o trânsito me assustou um pouco. Mas agora eu decidi até comprar uma bicicleta pra poder andar novamente. Mesmo que seja como uma árvore de Natal…. Parabéns pelo post. Essas informações com certeza me ajudarão bastante!

  24. Henrique Kern Laydner disse:

    Ótimas dicas. Pena que a maioria dos ciclistas, incluindo os deste movimento, não as sigam. Seguidamente transito à noite e vejo que a maioria está com pouca ou nenhuma luz, muitas vezes sem capacete e até pedalando na faixa da esquerda (uma vez estava de carro e chamei a atenção de um que cometia todos estes erros).
    Uso capacete com espelho (espelhos de guidon trepidam e dificultam seu uso), farol, luz vermelha piscante no selim e 4 LEDs duplos brancos piscantes no bagageiro (até de dia, quando nublado), refletores nos aros e na barra do guidon, campainha, colete amarelo com faixas refletivas, calças para ciclismo (são constrangedoras, mas tornam o pedalar mais confortável e seguro) e luvas (fazem uma diferença absurda no controle da bike).
    Apesar de pedalar preferencialmente na rua, eventualmente é necessário ou mais seguro usar a calçada, como quando ando com minha filha de 3 anos na cadeirinha (de capacete e cinto). Nestas horas o ciclista deve se comportar com relação ao pedestre como gostaria que os motoristas se comportassem em relação a si mesmos, dando a preferência e não forçando ultrapassagens ou andando rápido.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s