Material de Divulgação

Cartazes

Cartaz #1 – arte de Sérgio e Ieve

Cartaz #2 – arte de Lívia Araújo.

Cartaz #3 – arte de Lívia Araújo.

Cartaz #4 – arte de Lívia Araújo.

Cartaz #5 – arte de Lívia Araújo.


Panfletos

Carta Aos Motoristas – panfleto para ser entregue aos motoristas durante a Massa Crítica (clique na imagem para baixar).

Panfleto de divulgação #1 – arte por Sérgio e Ieve – clique aqui para baixar.

Panfleto de Sugestões e dicas para a bicicletada

Compilação de Charges

Compilação de Charges sobre Trânsito (sugestão: cortar em 3 tiras e espalhar para motoristas)


Literatura

Como Fazer Uma Massa Crítica – Livreto com o texto Como Fazer Uma Massa Crítica, explicando as origens e a organização da Massa Crítica de São Francisco, com as páginas já ordenadas para imprimir e montar: comofazerumamassa-imposed

28 respostas para Material de Divulgação

  1. Glauber Righes disse:

    Tudo bem? Vocês tem interesse em fazer uma palestra no Gasômetro? Falando da estrutura da cidade e algo do genero? Por favor entrem em contato. Att

    • fabio disse:

      Gostaria de saber se, após o ato criminoso ocorrido com os cicilstas, a prefeitura de Porto Alegre finalmente vai fazer alguma coisa para ampliar o número de ciclovias da cidade e efetivar de uma vez por todas o tal de Plano Cicloviário da cidade, ou vai ficar tudo na mesma???

      • pedrolunaris disse:

        pessoalmente, cada vez eu gosto menos da ideia de ciclovias. pelo menos com o código de trânsito que temos hoje, que fala que se há ciclovias elas são o espaço exclusivo para as bicis.

        as ciclovias ajudam muito quem está começando a pedalar, crianças e quem usa a bici pra passeio. nese sentido são demais.

        por outro lado, quem como transporte muitas vezes se complica com as ciclovias. estruturalmente elas não permitem muita velocidade, nem tem espaço de manobra. além de que muitas vezes são usadas por pedestres.

        penso ou em ciclofaixas (na pista mesmo), ou em ciclovias + ciclofaixas, ou em ciclovias + desobediência civil. ou em mudar o código de trânsito nesse respeito (bem mais difícil).

        de qualquer forma, tem que se pensar enfáticamente em edução no trânsito, no sentido de mudar o paradigma de necessidade de fluxo acima da necessidade de cuidado. isso tem que ser feito massivamente, e não podemos deixar que o discurso da implementação das ciclovias tome lugar desse ponto, por dispersá-lo. “iremos fazer ciclovias” é uma forma simples de não abordar essa questão, afinal de contas.

        abraços!

  2. Olá!
    Sou repórter do Correio Braziliense, de Brasília, e estou fazendo uma matéria sobre o atropelamento dos criclistas da Massa Crítica na noite de ontem. Vocês poderiam me enviar algum telefone para que eu possa fazer uma entrevista?

    Obrigada!
    Att.,
    Ana Elisa Santana
    61 3214 1117

  3. Olá sou Assessor de Comunicação do Grupo Sorocaba Bikers – Sorocaba SP, somos um grupo com mais de 300 cilcistas inscritos, e venho em nome do grupo dizer que estamos totalmente solidários ao próximo passeio em protesto ao atropelamento de seus bikers, esse é o momento de chamarmos a atenção da imprensa para o respeito aos ciclistas e um transito mais limpo e seguro, aguardamos contato prévio para prepararmos nosso transporte.

    Obrigado e muitas pedaladas de sucesso para todos nós.

    Atenciosamente

    Luiz Leonardo S. Ribeiro
    Ass. Com. Sorocaba Bikers

  4. Rafael disse:

    Pessoal do Massa Crítica!

    Sou de Curitiba mas gostaria de deixar aqui todo o meu apoio e toda minha solidariedade a vocês nesse momento tão dolorido. Dolorido no corpo, por todos os hematomas e escoriações desse CRIME contra a vida, mas também na alma, quando vemos que nossos direitos básicos de cidadãos não são respeitados.

    Vamos fazer desse caso mais um para tornar nossas leis mais severas contra quem usa o carro ou outro meio de transporte motorizado para matar, ferir ou simplesmente contra aqueles que não respeitam os direitos dos pedestres e dos ciclistas. Chega de impunidade!

    Sejam fortes! Um dia a bicicleta será respeitada no Brasil. Foi assim com as mulheres, os negros, os gays e outras minorias. Conosco não será diferente! Força!

    Rafael

  5. Flora Charner disse:

    Boa tarde,

    Meu nome é Flora Charner. Eu sou uma jornalista da agência internacional de notícias Associated Press. Nos vimos um video divulgado pelo youtube do atropelamento de ciclistas que aconteceu em Porto Alegre.
    Gostariamos saber se seria possivel distribuir o material para os nossos clientes fora do Brasil.
    Aguardo o seu retorno. Obrigada. Abs,

    Flora

  6. Olá,
    Gostaria de um e-mail para contato com vocês, será que seria possível?
    Aguardo retorno.

    Att,

    Racquel Tomaz
    Equipe Bem-Vindo Cicloturista

  7. A CARTEIRA DOS CICLISTAS É UMA MANEIRA FÁCIL DO PROPRIETÁRIO TER EM
    MÃOS, TODOS OS DADOS DA SUA BICICLETA E DO CICLISTAS !!!

    Para que serve : O OBJETIVO É IDENTIFICAR A BICICLETA E O SEU CONDUTOR , EM CASO DE ROUBO, E ACIDENTE NO TRANSITO E ENVOLVIMENTO EM OCORRENCIAS POLICIAIS
    Como Funciona: AO CADASTRAR A SUA BICICLETA DE FORMA CORRETA SEUS DADOS SERÃO IMPRESSOS NA CARTEIRINHA E SEUS DADOS FICARÃO REGISTRADOS NO SISTEMA PARA BUSCA DAS SECRETARIAS MUNICIPAIS DE TRANSPORTES E LOJISTAS DE TODA A BAIXADA SANTISTA, ESTA INDENTIFICAÇÃO ACABARÁ DEFINITIVAMENTE COM OS ABUSOS COMETIDOS POR CICLISTAS MAL EDUCADOS , A CARTEIRA DE INDENTIFICAÇÃO DO CICLISTA , SERA COMPOSTA PELA NUMERAÇÃO DA NOTA FISCAL DE COMPRA,OU A NUMERÃÇÃO DO CHASSIS DA BICICLETA OS DADOS DO CONDUTOR, NOME, ENDEREÇO, TIPO SANGUÍNEO E TELEFONE.
    SE A BICICLETA FOR APREENDIDA PELA POLICIA, FACILITARÁ A SUA IDENTIFICAÇÃO E A COMUNICAÇÃO COM O VERDADEIRO PROPRIETÁRIO…
    “LAZER, ATIVIDADE FÍSICA E RESPONSABILIDADE SOCIAL” MANTENHA SUA CIC ATUALIZADA

    APRESENTAÇÃO QUARTA FEIRA DIA 02 DE MARÇO NA REUNIÃO DO 7º CONSEG
    CADASTRO JÁ
    EMPLACAMENTO NÃO
    Uma cidade que priorize os pedestres e os ciclistas é uma cidade com cidadãos mais felizes e com índices de qualidade de vida superiores. Priorizar pedestre e ciclistas significa basicamente construir calçadas e ciclovias. Mas não quaisquer calçadas e ciclovias. Calçadas adequadamente pavimentadas, arborizadas e seguras, que convidem as pessoas a andarem com segurança e conforto. O mesmo se aplica em relação às ciclovias. Segundo ele, cada meio de transporte deve ter o seu espaço fisicamente separado. Isso por que a velocidade de locomoção para pedestres, para ciclistas e para carros e ônibus é diferente. Não adiante destinar um espaço para pedestres apenas pintando uma faixa no chão, pois os carros não respeitam esse tipo de sinalização. Assim, é preciso criar as ciclovias fisicamente separadas das ruas e das calçadas para pedestres.

    Citou exemplos de diversos países do chamado primeiro mundo onde existe um intenso movimento de valorização e incentivo do uso das calçadas pelos pedestres e das ciclovias pelos ciclistas. Cada vez mais, em cidades como Copenhague na Dinamarca, Nova York nos EUA e Paris na França, as políticas públicas tem trabalhado no sentido de transformar radicalmente o perfil dos transportes urbanos e onde se via muito espaço destinado aos vaículos motorizados (carros, motos e ônibus), o que se v~e é uma diminuição desses espaços e um aumento radical das ciclovias e das calçadas.
    Os efeitos são altamente positivos nos índices de poluição dessas cidades, já que caminhar e pedalar são atividades que não emitem gás carbônico ou outros poluentes. Além disso, as calçadas e as ciclovias são espaços privilegiados de socialização. Andando nas ruas as pessoas conhecem umas as outras, conversam e fazem amigos. Ao mesmo tempo, populações que andam mais e pedalam mais são naturalmente mais saudáveis e os níveis de pessoas acometidas por obesidade e outras doenças crônicas degenerativas é menor, o que implica em diminuição de custos na área de saúde pública.

  8. Olá,
    Como o restante do mundo (pelo menos entre as pessoas com senso de civilidade), fiquei assombrado com a selvageria do motorista que avançou sobre os ciclistas. Manifestei minha opinião sobre o que eu acho que deveria acontecer com o motorista, em minha coluna (Manicômio), no Jornal de Lavras . com . br. Quem quiser ver, é só acessar. Está lá no final da coluna:

    http://www.jornaldelavras.com.br/index.php?p=10&tc=4&c=1709&catn=3&scatn=

    Abraços solidários!

    Jose Marcio Faria
    Lavras, MG

  9. silney alves tadeu disse:

    A falta de segurança neste país é algo indescritível!! Aos condutores de veiculos de duas rodas, em especial as bicicletas, das quais sou um usuário – na cidade de Pelotas – passa por uma crise!! Acredito que nós ciclistas, devemos começar a pensar em uma união nacional que envolva ciclistas de todo o país e começar urgentemente uma marcha ou cruzada peal segurança, chamando a atenção para esta questão, a passar pela reformulação do CNT, e que seja reconhecido como crime DOLOSO e não culposo, atos praticados por motoristas/condutores de veículos de quatro rodas e também de duas rodas como os “motoqueiros” mal disciplinados. Aumentar imensuravelmente o valor da fiança para evitar desatres como diariamente presenciamos, e o pior; com a impunidade!! Veja o exemplo do povo do egito e demais paises arabes, quem sabe este germe começe a agir por aqui, pois quando uma massa quer, ela consegue!! As pessoas unidas tem uma força Herculana, vamos usá-la, pacificamente, para chamar a atenção das autoridades para esta questão, além do implementos de ciclo vias a exemplo de países “mais civilizados”. Não podemos esquecer que as ciclovias colidem com interesses economicos estradeiros..

  10. já fui convidado várias vezes para fazer parte da bicicletada. nunca fui e não posso dizer que é por preguiça por eu ando de bike direto. mas agora é certo que eu vou!!!! na próxima sexta-feira última de março estarei lá!!! não tenham dúvida que além disso serei membro atuante. eu achava que simplesmente andar de bike para fazer tudo que fazemos (trabalho, super, passeio o que for, etc.) fosse o suficiente. não é! a disseminação do novimento é o mais importanmte. farei material, divulgarei, farei todo o possível, podem ter certeza. como sou professor vou, cada vez mais, pois sempre faço isso, disseminar a idéia de andar de bike como o fundamental para o nosso mundo melhor.

    obs.: onde consigo aquele vinil que andam colocando nos postes e sinais de trânsito?

    professor caju

  11. Lex disse:

    Pessoal, qual é o e-mail de contato de vocês para podermos trocar informações?

    Abraço,

    Lex – Bicicletada Natal

  12. NOSSO MAIS SENTIDO APOIO A ESTA BARBARIDAD ACONTECIDAS A NOSSOS AMIGOS DE PORTO ALEGRE
    NUESTRA AJUDA A VOCES E DESDE JA MOVILIZACAO DESDE EMBAJADA DO BRASIL NESTE DOMINGO 06/03 EN SOLIDARIDAD A NOSSOS IRMAOS
    BUENOS AIRES, ARGENTINA

  13. Roberto Pegler disse:

    Olá amigos !
    Estive refletindo sobre o absurdo atropelamento do dia 25/02 e acho que essa é uma grande oportunidade de sensibilizarmos a população.
    A violência cometida pelo senhor Ricardo Neis é injustificável e ele deve ser julgado pelo que fez. Porém, qual a pena ideal para ele ?
    Acredito que poderíamos utilizar esse epsódio para deflagarmos um processo de conciência humana e sensibilização contra toda essa violência.
    Deixo claro que trata-se de minha opinião e que não fiz nenhuma análise mais profunda do caso, mesmo porque não sou advogado.
    Eu sugiro a vocês do MASSA CRÍTICA que pensem na posibilidade de “perdoar” o senhor Ricardo Neis pelos seus atos e utilizar essa ação como estratégia de sensibilização da sociedade como um todo. A idéia é trazer o senhor Ricardo Neis para uma conciência humana e ambiental, fazendo com que ele passe a ser um dos ativistas ambientais sobre bikes e caos urbano. Ele, de uma certa forma, é uma vítima dessa cultura corporativa, insensível, consumista e alienada. Se conseguirmos transformar esse caso trágico e darmos uma reviravolta nos fatos, faremos com que toda a mídia dê cobertura, mas de forma positiva e não como mais uma tragédia urbana banalisada.
    Sei lá… há várias formas de pensarmos o que fazer, mas eu acho que o ódio cultivado pela sociedade nesses casos de violência urbana sempre acaba em banalização e só beneficia a mídia e entopem de comentários vazios as redes sociais.
    Vamos fazer diferente ?
    Tái o meu recado.
    Por favor, não se ofendam, pois sei da dor que as vitimas passaram e sou totalmente solidário a elas, ok?
    Abraço a todos.

  14. João disse:

    Cara Silvana,
    podes conferir no texto que isso já foi revisto.

  15. Nanci Bertoni Andrade disse:

    Tenho 48 anos, e desde que pus meus pés numa bike nunca mais tirei e minhas primeiras pedaladas se deram aos três anos de idade. Claro que a rotina de compromissos profissionais me levaram a perder horas de carro ou ônibus, mas sempre que posso ando a pé ou de bike. Nunca participei do Massa, apesar de acompanhar o trabalho de vocês a algum tempo. Eu e meus dois filhos, andamos de bike pela cidade e sabemos das dificuldades e da falta de respeito de alguns motoristas. Agora decidimos que é hora de participar, nos engajarmos. Estaremos no próximo Massa e com certeza levaremos junto amigos e vizinhos. Vamos ocupar nossos espaços!! Abraços solidários

  16. Mônica Carvalho disse:

    Oi pessoal, sou estudante do último semestre de jornalismo da PUCRS. Eu e alguns colegas gostaríamos de realizar um documentário sobre o Massa Crítica. Peço que algum integrante do movimento entre em contato para conversarmos sobre essa possivel realização.

    Obrigada.

    Abs,

    • ntlnck disse:

      Não existe “o Massa Crítica”, pois não é um movimento. A Massa Crítica é um momento na última sexta-feira do mês onde pessoas pedalam juntas… tem várias páginas aqui no blog que podem explicar melhor do que eu, se você tiver um tempinho pra dar uma lida.

      Se quiser fazer alguma forma de documento, pode aparecer lá na Massa e pegar depoimentos de gente que estiver lá no dia pedalando… não existem “integrantes do movimento”, qualquer pessoa que estiver participando da pedalada pelo motivo que for é parte da Massa, simples assim. Seria realmente legal se fosse pedalar com a gente e dar uma olhada na Massa por dentro. É só aparecer!

  17. Renato s. Pecoitz disse:

    Parabens galera a pedalada do dia 25/03 estava ótima, apesar da chuva que pra mim não foi problema. Abraço a todos. Informe-se e participe.

  18. Olá,
    Servidora da Câmara Municipal de Porto Alegre, e a Cârama estará realizando, no dia 07/04, às 19 horas, Audiência Pública para tratar do tema “Bicicletas na Cidade”, portanto, solicito endereço para que possamos enviar um convite formal ao “Massa Crítica”. Grata,

    Valeska

  19. Luciana disse:

    Gente, gostaria de saber mais notícias sobre a libertação do atropelador dos ciclistas em PoA. Em que pé está o processo? VocÊs estão atuando nisso?

    Ninguém mais falou nada sobre o potencial assassino, tampouco se ele continua usufruindo do direito de dirigir. Como está o processo?

    Abraços!!!

    Luciana

  20. José Antônio Berta Antunes disse:

    Sugiro que compareçam à 2ª reunião do Eixo Temático Desenvolvimento Urbano e Ambiental, do V Congresso da Cidade, no auditório da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da PUC, em Porto Alegre, no dia 1º de junho às 19h, pois o tema será Mobilidade Urbana.

  21. Ian Muniz disse:

    Olá , eu nunca participei da massa crítica , mas espero em breve participar , ainda não me adaptei ao calendario de vcs . eu gostaria de divulgar mais a bike em porto alegre . posso dilvulgar dentro da Pucrs. estou a disposição .

    Obrigado.

    Att.

    Ian Muniz

  22. Maisa Pedroso disse:

    Favor divulgar

    Expedição América do Sul no Pedal – Evento de retorno à Porto Alegre (fim da expedição)
    Moacir Miorando Júnior e Cristiane Pedroso Trindade
    O projeto América do Sul no Pedal consiste em uma expedição de bicicleta pela América do Sul a fim de divulgar a bicicleta como meio de transporte limpo, seguro e saudável, além de procurar divulgar a cultura sul-americana. Esta ideia partiu da paixão pelas atividades físicas realizadas na natureza, aliada a vontade de viajar e a um momento propício na vida de ambos. Como viajar sem propósito nos pareceu um tanto egoísta, resolvemos partilhar esta experiência com os demais e, quem sabe, estimular outras pessoas a mudarem os seus hábitos e transformarem o seu mundo para melhor.
    O início da viagem ocorreu no dia dezessete de novembro de dois mil e dez (17/11/2010) com a saída de Porto Alegre e, a partir desta data, foram quase quinhentos dias de conhecimentos, aventuras e descobertas. No transcorrer da viagem, passamos por Uruguai, Argentina, Chile, Peru, Equador, Colômbia, Venezuela e Brasil. Pudemos vivenciar a realidade de cada país, conhecer pessoas, costumes e lugares, além do autoconhecimento e da convivência como casal (casamos três dias antes da viagem e, além do projeto, esta também foi a nossa lua-de-mel). Pedalamos pelos mais diversos ambientes: de desertos a florestas, de montanhas a planícies, de temperaturas negativas a calores insuportáveis, de terrenos inóspitos as mais variadas biodiversidades, enfim, uma experiência única que esperamos difundir.
    Desde o início do projeto, recebemos apoio de empresas, que facilitaram a execução deste sonho, entretanto, a concretização do mesmo, foi financiada por nossas reservas econômicas e por doações. Como qualquer atividade que não oferece grande retorno financeiro em curto prazo, a expedição não contou com patrocinadores e tampouco teve grande destaque na mídia. Entretanto, nos surpreendemos com o número de pessoas que acessaram o nosso site (mais de 14.000 acessos) e com os comentários sobre os lugares e sobre como o blog influenciou nas mudanças de atitude de muitos que nos acompanharam.
    Como nos aproximamos da linha de chegada, estamos preparando um evento de encerramento do projeto que seja uma oportunidade e um estímulo para aqueles que pretendem utilizar a bicicleta como meio de transporte. Desta maneira, estamos organizando um passeio ciclístico do Balneário Pinhal à Porto Alegre no dia trinta e um de março do corrente ano (31/03/2012). O evento terá um percurso aproximado de 110Km e iniciará às 9h. Durante o trajeto teremos carros de apoio sinalizando a presença dos ciclistas. No decorrer da atividade, haverá paradas de 30min a cada 20Km (aproximadamente) para reagrupamento, alimentação e, se for necessário, apoio de ônibus. A velocidade programada para os participantes será de 15Km/h, totalizando 10h30min de atividades. No ponto de chegada realizaremos uma confraternização para os participantes e convidados.

  23. Jefferson R. Almeida disse:

    Oi!
    Me chamo Jefferson, sou professor de geografia da Escola Municipal de Ensino Médio Emílio Meyer (Av. Niterói, 472. Medianeira). Coordeno com a colega de Biologia o laboratório sapiens de educação ambiental. Uma das ações que os alunos pensaram em implementar é a realização de um abaixo-assinado com o objetivo de interligarar o colégio a dois eixos cicloviários, a serem construídos. Durante ou após a coleta das assinaturas pensamos em realizar um passeio ciclístico para obter visibilidade na imprensa. De que modo poderíamos contar com vocês? Além de nos ajudarem, assinando o documento, poderíamos articular com vocês este passeio? Gostaríamos de juntar esforços. Aguardo retorno. Abraços.

  24. Pedro disse:

    Bom, eu não sou muito a favor de planfetagem, pois vai de contra o principal objetivo da Massa Crítica, que é a limpeza da cidade. Nós sabemos que, infelizmente, o brasileiro tem uma cultura de descartar esse tipo de material na rua.
    Outra coisa que acho muito importante que poderia ser enfatizado é a utilização de equipamentos de segurança. A Massa Crítica fala do perigo que é a convivencia com os carros, mas tira a responsabilidade dos ciclistas. Existem muitos ciclistas que não usa capacete, não usa luzes de segurança, ou que desrrespeitam as regras de transito. Já vi ciclista andar na 3 faixa no meio da Ipiranga. Também têm um pessoal que inventou que cilcista tem que andar na contra mão. Além de várias outras irresponsabilidades que vemos por ae.

    Acho legal a ideia da Massa Critica, mas acho que poderia fazer uma das pedalas com o tema “ciclista responsavel” para concientizar o pessoal.

  25. felipe disse:

    Olá, meu nome é Felipe sou quase um ex-ciclista pois desde que vim morar em Porto Alegre não consigo pedalar com tranquilidade. Venho atravéz desse comunicado expressar minha indignação e minha profunda tristeza em ver minha bike de pneu vazio. Enquanto alguns discutem se a culpa é da direita ou da esquerda (sabendo-se que a esquerda virou direita e a direita, nem sei mais o que é), pois bem, enquanto isso é discutido NADA é feito, nem nos shoppings da zona norte tem acesso de bicicletas. Temos que forçar a iniciativa privada a melhorar a mobilidade. Obrigado pelo espaço.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s