Estacionamento subterrâneo na Redenção?

 

Crédito: Carla Ruas / CP Memória

Faz tempo que queria escrever sobre esse assunto que me preocupa. Ouvi boatos por aí que a reforma do Auditório Araújo Vianna viria acompanhada da construção de um estacionamento na Redenção. Nem preciso dizer que achei um absurdo. Pesquisei melhor e vi que a situação é menos pior: a intenção é a construção de um estacionamento subterrâneo, embaixo do “estádio” Ramiro Sotto (aquele campo de futebol que tem ao lado).

Impacto Viário – Moacyr Moojem Marques alertou que questões como o impacto de automóveis sobre a região quando o auditório voltar a funcionar estão sendo estudadas. O secretário Sergius afirmou ter recebido autorização do prefeito Fogaça para começar consultas no sentido de viabilizar a construção de um estacionamento subterrâneo, embaixo do estádio Ramiro Sotto, que fica ao lado do Araújo Vianna. A obra, se autorizada pela população e autoridades, será realizada nos moldes das PPPs (Parcerias Público-Privadas, com construção e exploração comercial feitas por empresas). Konrath frisou que enquanto isso não se tornar realidade serão mantidos convênios com estacionamentos das redondezas, acrescidos de serviços de vans para acesso ao local.

Achei essa informação no site da Prefeitura de Porto Alegre, mas a matéria é de 2009 e não achei nada mais atualizado sobre o possível estacionamento. Não vou resistir em comentar que essa Prefeitura não sabe fazer nada pelos espaços públicos que não seja fazendo PPP’s (Parcerias Público-Privadas). As empresas dão investimento em troca de fazer daquele lugar um objeto de marketing, em que praticamente tudo tem que ter seu logo estampado. A Redenção “é” da Pepsi, o Mercado Público “é” da Coca-Cola, a futura ciclovia da Ipiranga vai “ser” do Grupo Zaffari, e por aí vai (se alguém se interessar por saber mais sobre os perigos disso pra sociedade, recomendo ler o livro Sem Logo, da Naomi Klein).

Enfim, não achei notícias pela internet se esse estacionamento realmente vai sair. Fiz esse post para discutirmos sobre isso, e se alguém souber se foi aprovado ou não, dar um sinal de vida. Acho menos ruim ele ser subterrâneo, e pra compensar poderiam proibir aquele estacionamento caótico que tem na frente do Mercado do Bom Fim. Poderíamos fazer pressão também mandando e-mails perguntando se vão instalar bicicletários na frente ou ao redor do Araújo Vianna, e se não, exigir!

Esse post foi publicado em políticas públicas. Bookmark o link permanente.

22 respostas para Estacionamento subterrâneo na Redenção?

  1. Melissa disse:

    Espero que eles não façam esse estacionamento, mas sim parcerias com os estacionamentos locais. Que eu me lembre, atravessando a rua tem dois grandes estacionamentos privados (repetindo: que eu me lembre, porque devem ter mais pelas redondezas). Já não é bastante espaço urbano gasto com isso?

    Um detalhe: na matéria tem um trecho “[…] se autorizada pela população e autoridades, será realizada […]”. Se autorizada pela população? Como podemos nos manifestar e/ou votar? Isso já aconteceu?

    Quem fez PPP com a Prefeitura foi a Opus, e a maior patrocinadora é a Oi. Para exigirmos bicicletários, mandamos e-mails para eles e/ou para o Prefeitura?

  2. Olavo Ludwig disse:

    A prefeitura parece que ainda não entendeu que facilitar o acesso aos locais para quem está de carro só aumenta cada vez mais o trânsito de carros. Este domingo foi particularmente interessante para mim, encontrei ex-colegas da Física que moram em diferentes países e o assunto sobre transporte surgiu, estamos muito, mas muito atrasados, mas isto não é novidade.
    Seria interessante manter esse serviço de vans citado.
    Quanto as PPP´s fiquei interessado em ler o livro indicado pela Lívia.
    Fico pensando, o que é menos pior, as PPP´s para ainda se fazer alguma coisa na cidade ou não se fazer nada? Isto quando a coisa feita é realmente interessante, como achei os equipamentos de ginástica para “terceira idade” na redenção e gasômetro.

    • Melissa disse:

      Eu fiz esse post hehe. Acho que só eu uso esse usuário massacriticablog.

      Essas PPP’s são uma faca de dois gumes. As pessoas geralmente têm bons olhos porque significa mais dinheiro para investir em um lugar público. O problema é que tem uma longa história por trás disso, em que as intenções das corporações não são nada boazinhas. Eles não estão investindo nisso pensando no bem da sociedade (se fosse assim, não exigiriam suas propagandas em troca). O importante pra eles é o lucro e a competição com a outra marca, e fazer PPP’s foi um modo que encontraram de invadir ainda mais os espaços urbanos.

      Imagina se “pega moda” fazer isso por toda a cidade. Os lugares públicos vão ser propaganda ambulantes, vai ter um logotipo estúpido em cada canto. E o pior é que quase ninguém vai enxergar que aquilo significa uma invasão da publicidade e dos interesses das corporações no poder público e onde mais eles puderem atropelar. Eles dizem que isso não é privatização, mas é como se fosse.

      Não vou me prolongar porque daria pra escrever um livro sobre isso aqui. Enfim, quem quiser o tal livro pra entender melhor, fica a sugestão. Ah, na biblioteca do Bonobo tem (em inglês)!

      • Melissa disse:

        Quanto aos aparelhos de ginástica, espero de coração que eles façam exercício e não bebam Pepsi!

      • Olavo Ludwig disse:

        Desculpa Melissa confundi, quis dizer Melissa e escrevi Lívia!
        Eu também espero que faça exercício e não tome o refri, mas no fundo essa história da propaganda só faz o cara (se fizer mesmo) decidir se vai tomar coca ou pepsi, ou seja, ele já toma refri porque começou tomando quando era criança e viciou, pois é gostoso e feito para viciar. Por mim as marcas de refri pode se matar gastando dinheiro com propagandas que não mudarão meu comportamento, mas isto sou eu!
        E, entendo que a coisa não para por ai! Tinha que se obrigar colocar uma “plaquinha” dizendo que refri faz mal para saúde, tipo a que tem no cigarro.

      • Matheus Dutra de Moura disse:

        Gostei dessa da obrigação de dizer que refrigerante faz mal para a saúde em todo merchandising de refrigerante… IMPLEMENTEM JÁ.

      • Marcelo disse:

        É que o usuário massacriticablog é mais para administração. O ideal é que cada um escreva posts com o seu usuário.

      • Mario disse:

        À primeira vista a PPP parece ser uma boa saída ante a imobilidade do setor público. O problema é (será) se isso for recorrente, já que é comum políticos encararem seus cargos como empregos e não como cargos que visem a benfeitoria pública, digo ficarem acomodados a esse acordo, tipo: “ah, a empresa interessada que se mexa pra fazer tudo, já que a mim só basta dar o aval”. Já fui muito mais anti corporações do que hoje e acho que no nosso contexto onde pouco acontece e a muito custo é preciso considerar essas parcerias, até porque, no final, deveria caber ao cidadão ter o discernimento mínimo pra perceber e entender o paradoxo de uma marca de refri patrocinar equipamentos pró-saúde. No fundo, ou nem tanto assim, sob uma ótica pessimista, é apenas uma estratégia vestida de verde pra nos fazer viver mais e consumir os produtos deles por mais tempo e é aí que entra nosso poder de decidir por isso ou não. Até porque se a Pepsi fosse um fracasso de vendas jamais teriamos aquelas melhorias. A quadra de basquete está perfeita. Tem até uma tiazinha que limpa no fim de semana. Raramente tomo refri, mas ponto pra Pepsi.

  3. Naldinho disse:

    Li uma reportagem sobre o recorde de venda de veículos em 2010. Não é sobre estacionamento, mas acho que tem a ver porque serão mais carros nas ruas.

    http://noticias.br.msn.com/artigo.aspx?cp-documentid=27006211

  4. Naldinho disse:

    Ah! Esse assunto do refrigerante, lembrou-me uma notícia sobre o que fizeram (ou pretendem fazer) em São Francisco em relação ao Mc Lanche Feliz e outros lanches destinados à criançada.

    http://estudosdoconsumo.com.br/sao-francisco-eua-proibe-mclanche-feliz-a-partir-de-dezembro-de-2011/

  5. Marly disse:

    Pois é me encaixo no exemplo por dois lados, que não tomo refris e que faço exercícios sim nos aparelhos da redenção, mais ou menos há uns três meses. Tentei conversar com o presidente da Associação dos usuários do parque da redenção diversas vezes, pessoalmente, por telefone, mas não deu nada! queria ver com ele se quanto aos aparelhos não seriam necessários monitores acompanhando as pessoas interessadas, como eu em se exercitar, e não um bando de gurizadinhas que as mães largam dentro deste espaço. Outra coisa que venho notando do que conversei é que havia uma briguinha vermelho x azul, para ver se quem administraria o local serai a SME ou a SMAM, parece que ganhou a última! Mas, este espaço ainda inclui bem de ladinho um bicicletário. apesar da placa que os apaarelhos não são recomendados para os piás, (eles construíram Pepsi?) bem ao lado do playground, este sim local para recreação a meu ver!
    Quanto a boatos do estacionamento subterrâneo, eu soube quando estive num final de competição dezembro 2010, no parque Ramiro Souto (tem uma pista de atletismo, além do campo de futebol), pelo representante da Abram (Associação Brasileira de Atletismo Master) que esta obra, envolvendo o novo projeto do Araújo Viana sairia mesmo! Comentei sobre isso com o Marcelo, mas ele talvez ainda não estivesse a par de nada na ocasião!
    Att

  6. Atilio disse:

    Melissa, há um tempo atrás postei comentário sobre o assunto, remetendo a um link sobre o estacionamento da Redenção e outro estacionamento, nos mesmos moldes, na Praça XV. Não consegui mais encontrar. Seja como for, concordo que devemos prestar muita atenção no modelo de PPP’s. Há estudos que apontam para possíveis melhorias no nível de bem estar gerado por bens públicos capitalizados por PPP’s (http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0034-71402008000200005&lng=en&nrm=iso) e outros que apontam para aspectos sombrios das PPP’s, principalmente na área de educação (http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-73302009000300009&lng=en&nrm=iso). Até onde consegue ir meu discernimento, sou a princípio contrário a esse tipo de procedimento. A instrumentalização publicitária do espaço público não me parece algo que possa ser justificado. Parabéns pela iniciativa de propôr a discussão.

  7. Melissa disse:

    Antes de tudo acho importante nos ligarmos nesse assunto do Araújo Vianna. Sei que já existem bicicletários na Redenção, mas os dois que conheço são longe do auditório, e ficar caminhando pela Redenção de noite não é nada seguro (os shows certamente vão ser de noite). Por isso acho importante pedirmos bicicletários legais e visíveis ao redor do Araújo Vianna.

    Se o estacionamento já foi aprovado, receio que não há muito o que fazer por isso. Pelo menos vai ser subterrâneo, o meu maior medo era que não fosse. Precisamos focar mais em exigir o espaço do ciclista neste “novo” lugar público de eventos da cidade.

    • Marcelo disse:

      Mesmo que já tenha sido aprovado, acho que manifestações são sempre válidas, dependendo do volume (e do barulho) da manifestação é possível até mesmo reverter a decisão.

  8. Em primeiro lugar, o nome do estádio é Ramiro Souto, e não “Sotto”. Eu trabalho na SME, órgão que administra esse espaço público.
    Lendo os comentários aqui, me indignei quando a discussão pendeu para a questão da saúde levantada pela Pepsi e seus aparelhos de ginástica instalados na Redenção e na orla do Guaíba em frente ao Harmonia.
    Eu adoro refrigerante, eu tomo Pepsi, Coca-Cola, e daí? Sei dos riscos que eles representam quando consumidos em excesso.
    Tenham um bom dia!

    • Marcelo disse:

      Guilherme,
      Tu podes saber dos riscos à saúde dos refrigerantes. Mas a grande maioria das crianças (e muitos adultos!) que é exposta a esses anúncios diariamente não sabe.

    • Melissa disse:

      Guilherme, quanto ao nome do estádio, diz isso pro jornalista do site da Prefeitura, eu copiei esse parágrafo da matéria dele.
      Quanto aos refrigerantes, concordo com o Marcelo.

    • Marly disse:

      O Guilherme, faz favorzinho então, se a SME se assumiu como mantenedora do espaço de zelar pelos aparelhos dali, deveria era dar orientação a quem vai ali se exercitar, pois colocar apenas um cartaz (placa, que seja) não resolve nadinha, viu? Existem crianças de até três ou quatro aninhos entrando dentro das rodas de exercício de braços e ficam se balançando ali. Já presenciei cenas bizarras, nunca, mas never nunca, existia algum funcionário da Prefeitura por ali, porque será? meus impostos estão sendo pagos todo o tempo, sem atrasos ou calotes! então faz o favor de transmitir para as autoridades que ali precisa monitoramento. Urgentemente. Era isso.

  9. Cyro disse:

    enquanto no Brasil nós temos que brigar com a prefeitura por ciclovias, direitos no transito, com empresas pra poder estacionar em locais públicos… Na Argentina fazem campanhas para incentivar a população a usar a bicicleta, e dando mais valor para a bicicleta que os automóveis… isso é dar valor a qualidade de vida! vejam o video abaixo:
    http://tvig.ig.com.br/291411/buenos-aires-aposta-no-uso-de-bicicletas.htm

  10. Atilio disse:

    Legal é que o Guilherme “tomou” uma posição.

    Ok, péssima piada.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s